Como ensinar sua mente a se concentrar

Marcio      quinta-feira, 8 de junho de 2017

Compartilhe esta página com seus amigos

 

 

 

 

 

 

 

Como ensinar sua mente a se concentrar facilmente e concluir todos seus objetivos

 

Hoje vou falar sobre como você pode ensinar e direcionar sua mente para as coisas importantes. Entenda o que fazer para se concentrar facilmente e manter o controle sobre suas atitudes.

Agora eu te convido a NÃO pensar e visualizar o carro dos seus sonhos.

NÃO visualize você bem arrumado(a) indo para uma festa bem animada.

NÃO visualize aquela comida saborosa que você mais gosta.

NÃO visualize você ganhando uma boa grana e comprando muitas coisas no shopping.

Responda-me:

Você visualizou tudo ou quase tudo que eu pedi para não visualizar, não é?

Sabe por que isso acontece?

Continue lendo este texto que você vai descobrir:

  • A incrível capacidade da sua mente
  • Habilidades da Mente
  • Mente Direcionada
  • Sentir, pensar e agir
  • Como ensinar a sua mente a se controlar?
  • As 4 técnicas de controle mental
  • Como seu cérebro trabalha
  • Foco, objetivo e resultados
  • Resultado Comprovado

 

Por que mesmo que uma pessoa fale "NÃO imagine", eu ainda visualizo?

Por que você direcionou sua mente para tudo o que eu falei e ainda mais porque as coisas que eu disse proporcionaram em você uma sensação e um sentimento de prazer e conquista. Algo positivo.

Tudo o que queremos e visualizamos acontecendo a sua mente trabalha e direciona sua atenção, seu foco para aquela informação.

Por exemplo, se você quer muito comprar um celular. O que você faz?

Começa a pesquisar por vários modelos de celular e visualizar você usando um celular novo, com todas as tecnologias, câmera de X megapixels, tirando as selfies, baixando os aplicativos não é mesmo?

A sua mente fica tão focada apenas no celular, que parece que não existe nada ao seu redor.

Quanto mais você FOCA, aquela informação expande na sua mente.

 

A incrível capacidade da nossa mente

Nossa mente tem uma incrível capacidade de gerar comportamentos que nos conduzam às direções que conhecemos ou nos afastam desses caminhos.

Por exemplo, assistir televisão poder ser a ação/solução que atende aos seus propósitos de relaxar, desligar-se de um problema, informar-se sobre o que está acontecendo no mundo ou fazer companhia para alguém.

Talvez ainda não estejamos familiarizados com o fato de que outras que encontramos, só realmente encontramos porque estamos direcionados para isto.

No artigo anterior em que eu cito as zonas que atrapalham sua evolução ilustra muito bem isto que estou falando. Leia o artigo aqui.

 

As habilidades da mente

Uma das habilidades que a nossa mente tem é de perceber algo que está faltando.

Um exemplo, é quando a garrafa de água esta vazia e precisa encher ou quando preciso juntar as roupas para fazer as malas para ir viajar, sempre percebemos que alguma roupa está faltando.

Esta habilidade é muito útil quando precisamos planejar algo.

Mas, uma pessoa só nota o que está faltando se estiver internamente direcionada para buscar isso.

 

Mente direcionada

Agora pense em uma pessoa direcionada internamente para “evitar problemas”.

Para que a mente esteja realmente direcionada à conseguir fazer isto ela precisa primeiro identificar um problema, e depois também, pensar em uma forma de evitá-lo.

É meio que óbvio isto não é?

Aonde quero chegar?

Veja: uma pessoa que está em seu ambiente de trabalho e não consegue se concentrar porque estava pensando no filme que está com muita vontade de assistir no cinema que vai passar naquele dia.

Vejamos o conflito. Está trabalhando, no entanto, preferiria estar no cinema assistindo um filme.

O que acontece? A pessoa não está envolvida com os objetivos do trabalho, está dispersa, não se concentra. Por quê?

A mente está em conflito em duas direções e não consegue conciliar e determinar as direções corretas.

Entenda, a sua mente não vai gerar os melhores comportamentos para maior produtividade e qualidade do serviço. Lembra quando eu disse, o que você foca, expande.

Duas direções, a pessoa acaba não fazendo nem uma coisa nem outra.

Neste artigo falo sobre as 6 razões para se preocupar com você. Leia mais...

 

Sentir, pensar e agir

 

Antes de continuar e irmos mais fundo no texto é preciso entender que existe uma diferença entre atitude e comportamento.

A atitude é baseada em 3(três) aspectos essenciais: sentir, pensar e agir.

É primeiramente ter um sentimento diante de um problema que provoca um pensamento orientado a saída ou alguma outra opção ao caminho que vai percorrer e que esta ação para ser tomada deve ser em resposta a um pensamento.

Existe uma expressão que diz: “tomar uma atitude”. Porém, por muitas vezes o nosso comportamento vai contra as nossas vontades realmente. Por exemplo: é como concordar da boca para fora para sair de uma discussão que não vai levar a lugar nenhum ou terminar uma reunião chata logo.

Nem sempre o que pensamos e sentimos nós recriamos em nosso comportamento.

Em vários momentos da vida somos “obrigados” a agir contra o nosso pensamento e nosso sentimento, como quando damos uma festa e convidamos determinada pessoa, não porque gostamos, mas porque aquela pessoa pode ter uma influência e representa um grande volume de negócios ou interesses pessoais.

Ou quando, aquela pessoa pode te ligar a outra terceira pessoa, que realmente te interessa.

Pensar e sentir nem sempre correspondem à ação do ser humano.

 

Como ensinar a sua mente a se controlar

Nós só conseguimos atingir aquilo que somos capazes de ver. Este conceito é a explicação da visualização dos seus objetivos.

Vou convidar você a fazer um exercício simples, que não requer prática, nem tão pouco habilidade.

Pegue um papel e escreva um objetivo. Um objetivo de vida que seja possível realizar em curto prazo. Não pense apenas, escreva.

É importante que você escreva o objetivo pois, vai lhe ajudar muito no que vai aprender a seguir.

Para ilustrar o que você vai fazer a seguir este exercício foi desenvolvido pela marinha americana dos soldados de elite e que passam por um treinamento muito forte e existia um número muito alto de evasão.

Porém os que eram considerados favoritos com corpos de atletas, com corpos preparados para superar desafios eram superados facilmente por outros soldados que nem sequer tinham a mesma estrutura física chegavam facilmente ao final do treinamento.

Enquanto muitos dos que tinham o “porte ideal” não resistiam ao treinamento até sua conclusão.

Baseado nisso foi encomendado um estudo com o título “Resistência Mental”. E este estudo levou ao desenvolvimento de 4 técnicas de controle mental.

 

As 4 técnicas de Controle Mental

 

Os instrutores do treinamento dos soldados de elite da marinha norte-americana baseado neste experimento chegaram a 4 técnicas de controle mental e colocaram em prática como listado abaixo:

  1. Estabelecimento de metas de curto prazo/fixação de metas;
  2. Construção de cenários mentais (visualização) /ensaio mental
  3. Dialogo interno
  4. Controle da excitação pela respiração

1. Estabelecimento de metas de curto prazo/fixação de metas

Esta primeira técnica consiste em estabelecer metas de curto prazo que vai ajudar a sua mente a raciocinar melhor e planejar suas ações.

Organizando a execução de cada etapa para a conquista do seu objetivo, definir em meio à possíveis interferências uma sequencia de ações que devem ser tomadas caso os imprevistos ocorram.

2. Construção de cenários mentais (visualização) /ensaio mental

Nesta segunda técnica você focaliza mentalmente uma atividade. Pratica, ensaia, imagina a ação diversas vezes até que, quando for de fato executá-la seja algo mais natural.

O ensaio mental, o planejamento do que vai fazer quando você estiver em situações de estresse, treine para que quando ocorrer possa enfrentá-las e a sua reação seja menos inesperada, ou seja, você estará previamente preparado(a).

3. Dialogo

Todos temos uma voz interna que conversamos em todo momento. Alguns dizem que é a consciência, independente do que dizem, é importante estar ciente que existe esta voz.

Em média, essas conversas internas têm um ritmo de 300 mil palavras por minuto e esta terceira técnica se concentra em aproveitar essa capacidade de modo que o dialogo interno seja motivador.

Se as palavras que dizemos para nós mesmos forem positivas, nós conseguimos reprimir os sinais de medo que recebemos em situações de risco ou tensão e recebemos um impulso extra para contemplar a tarefa que nos foi dada.

Neste artigo eu falo sobre Como Vencer os Medos. Leia e descubra algumas verdades que ninguém nunca te revelou aqui.

4. Controle da excitação pela respiração

A respiração é a base para controlar qualquer impulso nervoso, principalmente a excitação. Dominar a respiração nos ajuda a conter esses impulsos que nos atrapalham.

Se, por exemplo, conseguimos respirar devagar de propósito, conseguimos inibir os efeitos de pânico e, se expiramos longamente, nós imitamos a técnica do relaxamento.do corpo e o seu cérebro recebe mais oxigênio.

Esta quarta técnica ajuda o cérebro a funcionar melhor e a concentrar-se na situação que deve ser enfrentada. Isso ajuda muito nas apresentações de trabalhos, projetos e palestras.

A eficiência destas técnicas foi comprovada no processo de aprovação dos soldados de elite da marinha norte-americana que aumentou significativamente o total de aprovados nos seus treinamentos.

 

Como seu cérebro trabalha?

Como você pode ter notado que o cérebro trabalha muito melhor com formas e imagens. Isso significa que as visualizações futuras que conseguimos enxergar são mais prováveis de ser atendidas.

A visualização é um passo fundamental para que um quadro mental se estabeleça com precisão. Montar em sua mente a situação de desejo é, certamente, já se colocar na situação onde quer estar.

Para ter sucesso em seus objetivos é preciso saber aonde se quer chegar e conseguir se colocar nessa situação. É ter a cena da conquista construída dentro da sua mente.

Dessa maneira, você vai acostumando e criando um hábito dentro do seu cérebro para agir de acordo com essa circunstância, quanto mais você conseguir visualizar e se colocar nessa posição, mais perto e natural a situação de conquista nos parece.

 

Foco, Objetivo e Resultados

 

Lembra quando eu te pedi para anotar os seus objetivos e que ele fosse de curto prazo e que pudesse alcançar?

Então, revise o que você escreveu, é realmente esse seu objetivo?

Para tornar este exercício mais efetivo e os resultados concretos, você vai agora utilizar uma poderosa ferramenta chamada “mentalização”.

A primeira coisa que você tem que entender é que você precisa ter consciência clara de aonde quer chegar. Qual é o final do caminho que vai percorrer?

Por exemplo, quando eu falo das férias e mentalizo a viagem e chegando ao hotel fazenda, café da manhã, piscina, eu já sinto o cheiro de natureza, visualizo belas paisagens.

Perceba que cada vez mais vou me colocando naquele lugar em que visualizei. É um lugar claro e concreto. É um lugar possível de chegar.

Se você prestar a atenção, no meio tempo que falava, bem possível você também se imaginando naquele lugar, o mundo a sua volta desapareceu.

Quando comecei este texto fiz um exercício exatamente idêntico a esse. Isso se chama FOCO. Toda sua energia e vontade estão direcionadas em apenas um lugar.

 

Reescreva seus objetivos

Para que você consiga tornar a sua visualização eficiente e concentrada no resultado, pegue o objetivo que você escreveu lá em cima. Ele precisa agora ser reestruturado da seguinte forma:

Inicie sua frase com um verbo de ação no infinitivo (comprar, fazer, correr, vender, construir, viajar, aprender, terminar)

Perceba que todos estes verbos são diferentes de “pesquisar” ou “desenvolver” que possuem um sentido mais amplo e podem significar muitas coisas e não definem o seu objetivo “claramente”.

Tenha a certeza de que as frases que compõe seus objetivos estejam centradas em um verbo de ação no infinitivo que não seja vago, que represente uma ação específica.

 

Determine um prazo

A segunda forma de estruturar seus objetivos é determinar um prazo. Não é uma data específica, o prazo é um período, por exemplo: “De 10 de Junho até 10 de Julho”. Não apenas 10 de Junho, mas uma janela de tempo.

Esse cuidado tem um motivo muito simples, o ser humano tem três instintos básicos de sobrevivência: estar limpo, alimentado e descansado. E protelar alguma ação, prorrogar o que precisa ser feito é muito comum.

Porém, se você estabelece uma data ou um até, uma região do cérebro (chamado circuito do prazer), na tentativa de buscar o equilibrio fisiológico, a pequena possibilidade de fazer amanhã aquilo que estamos prontos para fazer agora, vai prorrogar com o intuito de sempre antecipar a sensação de estar limpo, alimentados e descansados.

Simplificando: você deve dar um prazo para começar, outro para desenvolver e outro para acabar. Por exemplo, se algo precisa ser entregue no dia 15 de junho comece a fazê-lo no dia 5.

Comece alguma coisa, escreva uma linha, separe o que precisa para alcançar seus objetivos, faça uma lista. Dessa forma, durante os próximos dias, você sentirá a vontade diária de continuar a fazer, e não apenas aquela ansiedade de precisar começar.

As visões que você tem ajudam a organizar o cérebro para suas principais ações: planejamento, monitoramento de metas. Enquanto ele não atua olhando as prioridades, o que temos para fazer fica em curto circuito.

O cérebro reage e você sente estresse e ansiedade quando vemos as atividades em um bloco apenas.

A mente reage dessa forma porque ela precisa ver a tarefa priorizada e segmentada em partes. Por isso que você tem que escrever quais são as partes pequenas de um grande objetivo, tornando claro o que deve ser feito primeiro e aliviando a ansiedade.

 

Mensure suas metas

Como já vimos, para começarmos a nos sentir cobrados e sair da zona de conforto, é preciso que seja colocado no papel o inicio da meta e até quando é o término.

Por exemplo: Trocar de carro entre 15 junho e 15 de julho. Quando a primeira data entrar no seu cérebro, algo dentro dele vai apitar, indicando: “Hei! Iniciou o prazo” e na tentativa de manter o equilíbrio fisiológico (limpo, alimentado e descansado), uma memória começa a cobrar você como se fosse um juiz.

Mensurar tudo o que puder, colocando números, valores, veja como: “ de 10 mil a 12.500 reais” ou pesquisar valores de 3 a 4 lojas diferentes.

Para cada valor que você inserir que ele varie pelo menos 25%. Se o valor é 100 que seja de 100 à 125.

Por que isso?

Porque vai exigir na hora que escrever seus objetivos, parar e refletir com dados da sua realidade, que você tenha uma referência e não permita que o seu objetivo saia do controle e vire um sonho que se possa atingir em curto prazo.

Tirando o exemplo do objetivo do carro como ficaria a frase?

Trocar de carro entre 15 de junho e 15 de julho, pesquisando de 3 a 4 lojas diferentes gastando entre 10 mil e 12.500 reais.

Dessa forma você se obrigou a definir um modelo de carro, ou seja, ele precisa caber no prazo tanto quanto nos valores que serão propostos.

Qual é o resultado deste exercício?

Sua visualização deixa de ser um desejo ou um sonho e passa a ter definições que provocam em você a direção para seus resultados, proporcionando uma tela mental e faz com que seu cérebro reflita sobre a real possibilidade, saindo do campo mental do sonho para o resultado.

 

Resultado Comprovado

 

No ano de 1953, na Universidade de Harvard, nos EUA, um estudo realizou uma entrevista com todos os formandos. Entre as várias perguntas, uma era sobre o que pretendiam alcançar.

Uma outra pergunta feita, era se a pessoa tinha, em algum momento, escrito esses objetivos.

Para cada 100 formandos, apenas 3 tinham por escrito o que queriam fazer na vida. Vinte anos depois, todos foram novamente entrevistados.

Imagine o resultado: aqueles 3% que tinham registrado suas metas por escrito tinham mais valor financeiro do que os outros 97% juntos!

E não para por aí, eles eram os mais sadios, os mais alegres e os mais satisfeitos com a vida entre todos os ex-alunos pesquisados. Tinham o menor índice de hospitalização e também menor índice de divórcios, entre outros fatores.

Será que esse grupo era mais inteligente? Não, não era. Será que eles eram de famílias diferenciadas? Não eram. A estrutura familiar era a mesma.

Será que este grupo tirava melhores notas? Também não. Tudo era igual para todos.

Sabe o que fez a diferença neste grupo dos 3%?

Tinham por escrito tudo o que fariam para os próximos seis meses, um ano, cinco, dez, quinze anos após a formatura.

 

Concluindo...

Para conseguir conquistar alguma coisa,é preciso “visualizar, escrever e atingir”.

Seguir uma serie de passos de ações concretas que sejam específicas, mensuráveis, atingíveis e com prazo definido que nos deixam cada vez mais próximos de onde queremos chegar.

Gostou deste artigo? Foi útil para você e pode ser para alguém que você conheça? Marque seus amigos em comentários, compartilhe nas redes sociais, nos grupos de whatsapp e ajude outras pessoas a visualizar, escrever e atingir todos seus objetivos.

Quer que eu te ajude neste planejamento, como visualizar de forma orientada, escrever o que deve ser específico e atingir seus resultados? Entre em contato comigo, deixando uma mensagem abaixo ou acessando aqui.

Acompanhe nossos conteúdos em nosso blog. Curta nossa Fanpage e faça parte de um grupo de pessoas que buscam sempre o conhecimento, o crescimento pessoal e profissional.

Sobre o Autor

Marcio Ferraz é redator web, coach pessoal e negócios, palestrante. Estudioso do comportamento humano tem como missão ajudar as pessoas a encontrar o melhor caminho para a vida delas, através de processos de coaching, promove o autoconhecimento, foco, planejamento, ação, melhoria contínua e resultados. Saiba mais sobre aqui

Comentários

Descubra como o coaching pode ajudar você a alcançar seus resultados